Funcionários da empresa Viação São Luiz não recebem salários desde Dezembro de 2018

Na manhã de quarta-feira (03), a Rádio Caçula FM recebeu mais uma denúncia de um grupo de funcionários da empresa de transporte rodoviário Viação São Luiz, localizada na cidade de Três Lagoas (MS).

De acordo com os denunciantes, além dos salários atrasados desde dezembro de 2018, não receberam a segunda parcela do décimo terceiro, e ainda constataram que o fundo de garantia (FGTS) não está sendo depositado há anos.

“Temos que ficar mendigando as coisas, nos humilhando pra conseguir às vezes 50 reais para comprar leite para os nossos filhos”, relata um dos funcionários.

Além da falta de transparência da empresa quanto à posição sobre o pagamento, os funcionários também estão com o lado psicológico e emocional abalados, e muitos estão se sentindo sem perspectivas.

O quadro tem se complicado muito com o passar dos meses. A maioria dos funcionários depende exclusivamente do salário, e com os atrasos outras contas como aluguel, água e luz também deixaram de ser pagas.

Muitos relatam que estão passando fome e até mesmo sendo despejados de suas residências.

Em solidariedade a esses funcionários, a Rádio Caçula FM está realizando uma campanha para arrecadar cerca de 70 cestas básicas. Em colaboração com a campanha, um supermercado de Três Lagoas ofertou um desconto para a compra dessas cestas.

Desse modo, a Rádio Caçula entrou em contato com a AGEPAN (Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos) e com a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) relatando a presente situação da empresa e dos funcionários, e assim solicitar uma solução para tal problema.

Segue abaixo o comunicado das agências.

NOTA AGEPAN

O comunicado foi feito através da ouvidoria da agência. Segundo a nota encaminhada para o e-mail da Caçula FM, a Agepan está buscando alternativas de melhorias do serviço prestado, não só multando a empresa, mas exigindo um serviço de qualidade aos usuários.

“Diante do cenário que tem se configurado por parte da empresa Viação São Luiz Ltda, ou seja, serviço público de transporte intermunicipal de passageiros inadequado aos usuários, a Agepan está buscando alternativas de melhorias do serviço prestado, não só multando a empresa e exigindo um serviço de qualidade aos usuários. Como só isso não tem sido eficaz para melhor atender os usuários, está sendo estudado a disponibilização de outras empresas a ofertarem o serviço nas condições adequadas nas linhas praticadas pela empresa em tela. Assim como foi dada autorização à empresa Guerino Seiscento Transporte SA para executar a Linha 209 – Três Lagoas – Campo Grande via Santa Rita do Pardo”, diz parte da nota.

A Agência também informou que na rodoviária de Três Lagoas há um fiscal permanente, que trabalha em regime de escala, bem como faz fiscalizações nos municípios próximos, de acordo com a programação de fiscalização definida para o mês. O mesmo fiscaliza diariamente as empresas de transporte intermunicipal de passageiros, atendendo às dúvidas e reclamações dos usuários, bem como aplicando penalidades quando o caso requer.

No caso em que o usuário se sentir lesado ou quiser reclamar do atendimento da empresa que presta o serviço, a Agepan informa que o mesmo poderá registrar uma reclamação na ouvidoria através do telefone 0800 600 0506, de segunda à sexta-feira, das 7h30 às 13h30; bem como poderão utilizar o sistema informatizado e-Ouv ou o e-mail [email protected]

ANTT

Muitos ouvintes questionaram a fiscalização por parte da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres). Em contato com a Agência, a equipe da Caçula FM foi informada que à ANTT compete, entre outras atribuições, a regulação e a fiscalização da prestação dos serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros. Como a São Luiz realiza em sua maioria linhas intermunicipal (linha com origem e destino final em cidades do estado do Mato Grosso do Sul), o assunto é de competência da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos do Estado de Mato Grosso do Sul – AGEPAN.

Por: Mirela Coelho – radio caçula